COMPLIANCE

Nestes mais 17 anos de história, a ética e a integridade sempre fizeram parte da filosofia do nosso negócio.

Hoje conseguimos olhar para traz e enxergar que “fazer o certo porque é certo” serviu para construir um caminho de sólido sucesso.

É por isso que empregamos a ética em tudo o que fazemos e valorizamos todas as práticas anticorrupção em nossos relacionamentos comerciais.

O nosso compromisso, respeito e excelência em prestar um serviço de qualidade fazem do YOGASHANTI, ter o seu nome como um dos mais confiáveis da cidade de Poços de Caldas em saúde e bem estar e são, sem dúvida alguma, a base para o nosso sucesso.

O nosso Código de Ética e Conduta foi criado para fornecer um entendimento claro dos valores fundamentais do YOGASHANTI e as regras que regem o nosso negócio. Ele também estabelece diretrizes para enfrentarmos com êxito todos os desafios éticos e traz os princípios fundamentais para tratarmos nossos clientes e fornecedores e uns aos outros.

No YOGASHANTI, acreditamos que o caminho para alcançarmos nossos objetivos é tão importante quanto o sucesso a que ele nos conduz. Seguir o caminho da ética é sempre a melhor opção. O Código é o nosso guia para um futuro de sucesso, proporcionando orientação sobre as normas de ética, integridade pessoal e conformidade que são a base da nossa Comunidade.

 

Vanessa Brito

Fundadora e CEO do Yogashanti

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

INTRODUÇÃO

Este Código de Ética e Conduta define as diretrizes básicas do que nós, do YOGASHANTI, consideramos como comportamento ético. À medida que expandimos as nossas atividades e atraímos novos colaboradores, parceiros e clientes, é fundamental que todos conheçam e entendam o que consideramos comportamento ético e que respeitem, de forma integral, as políticas e diretrizes estabelecidas pela empresa.

A prática diária – de cada um de nós - dos princípios estabelecidos neste Código vai consolidar e ampliar a reputação que já conquistamos em nosso mercado. Esta, bem como, a fidelidade de nossos clientes e consumidores estão intimamente relacionadas com nossa capacidade em oferecer serviços de alta qualidade, nossa verdadeira paixão.

 

  1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE CONDUTA

 

Nossos colaboradores estão a serviço de nossos alunos e clientes e devem seguir em todas as suas ações alto padrão de ética, além de cumprir todas as normas e legislações aplicadas ao nosso negócio.

 

   2. RELAÇÕES COM ALUNOS E CLIENTES

 

  • Conduzimos nosso relacionamento com nossos alunos e com nossos clientes de forma leal e ética.

  • Cumprimos integralmente o que contratamos ou prometemos.

  • Atendemos os nossos alunos e os nossos clientes com respeito, cortesia e presteza.

  • Temos como meta fornecer produtos e serviços com o mais alto padrão nacional e internacional de qualidade.

  • A segurança dos alimentos que fornecemos, bem como dos produtos e processos envolvidos, é primordial e, sendo assim, nunca poderá ser comprometida.

  • Visamos fornecer um serviço de alto nível a nossos clientes e consumidores, em tempo integral. As críticas e reclamações sobre nossos serviços são documentadas e imediatamente consideradas.

  • Todas as informações referentes aos nossos clientes e consumidores são confidenciais.

  • Agimos com transparência nas informações relacionadas à saúde e bem estar dos consumidores.

  • Respeitamos a cultura e os valores do cliente, sem ferir nossos princípios de conduta.

 

   3.  RELAÇÕES EMPRESA /COLABORADORES

 

  • Tratamos todos os colaboradores com dignidade e respeito.

  •  Rejeitamos toda e qualquer forma de preconceito ou discriminação em relação a religião, convicção política, raça, sexo, nacionalidade, idade, estado civil ou necessidades especiais. Valorizamos a diversidade.

  • Preservamos e fazemos uso adequado dos ativos da empresa.

  • Precisamos assegurar que os sistemas de comunicação de propriedade da empresa – como telefonia e internet (acesso a sites e e-mail) – estão sendo utilizados em atividades que agreguem valor à Empresa.

  • Proibimos qualquer decisão ou ação que resulte em ganho pessoal, de parentes ou de amigos, pois consideramos que as decisões de negócios devem ser completamente isentas de interesse ou ganho pessoais.

  • Não consideramos parte de nossa conduta: o consumo de bebidas alcoólicas ou drogas durante o expediente, em quaisquer circunstâncias.

 

   4. RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES

 

  • Balizamos nossas decisões sobre as compras de materiais ou de serviços na qualidade, preço e condições e assistência oferecidos, visando ao melhor interesse da empresa.

  • Não aceitamos brindes, gratificações ou qualquer vantagem pessoal advindos de fornecedores, exceto pequenos brindes ou artigos promocionais de valor simbólico, inferior a R$100,00, com o nome do fornecedor estampado.

  • Buscamos estabelecer relações vantajosas mútuas com todos os nossos fornecedores e os motivamos a atingir nossos altos padrões no que se referem à segurança dos alimentos, condições de trabalho, saúde e segurança, além de proteção ambiental e direitos humanos.

  • Relacionamo-nos com nossos fornecedores de maneira honesta e justa, respeitando sempre os acordos firmados.

  • Nenhum colaborador deve oferecer ou receber - ou ainda influenciar outros a fazê-lo - qualquer tipo de beneficio que possa vir a ser considerado suborno ou influencia.

  • Todas as informações referentes à empresa e aos seus fornecedores são tratadas de forma confidencial.

  • Recusamos fornecedores que infringem a lei ou que arriscam a reputação da empresa.

 

   5. RELACIONAMENTO COM O GOVERNO E AUTORIDADES

 

  • Somos pontuais no pagamento de nossas obrigações, encargos, impostos e tributos.

  • Mantemos um bom relacionamento com os órgãos governamentais, respeitando todas as leis e cumprindo nossos deveres.

  • Nenhum funcionário pode oferecer ou receber - ou influenciar outros para oferecer ou receber qualquer dinheiro ou doação de material que possa ser interpretado como suborno.

 

   6.  RELACIONAMENTO COM A COMUNIDADE

 

  • Temos consciência de nossa responsabilidade social. O respeito às comunidades em que atuamos estará sempre presente em nossas decisões.

  •  Conduzimos as nossas atividades, respeitando a legislação vigente e o meio ambiente.

  • Contribuímos com a proteção do meio ambiente promovendo a gestão integrada de sistemas, com a redução de impactos ambientais adversos e destaque para a redução de resíduos, reciclagem, economia da água e a educação do nosso publico interno.

  • Em nossa estratégia de negócio valorizamos a relação com a comunidade nas quais operamos e estamos comprometidos em contribuir positivamente para seu desenvolvimento sustentável. Para tanto:

    • Disponibilizamos nossos conhecimentos especializados em prol do bem estar da comunidade;

    • Incentivamos o voluntariado para ações sociais praticadas pelo publico interno.

    • Apoiamos projetos sociais envolvendo colaboradores.

 

  7. RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA

 

  • Buscamos o relacionamento respeitoso e transparente com a imprensa.

  • Estabelecemos que somente a CEO ou porta-vozes especificamente autorizados podem falar em nome da Empresa.

 

  8. CANAIS DE APRESENTAÇÃO DE DÚVIDAS E DENUNCIAS


Dependendo da natureza do tema apresentado, pode ser conveniente começar a discuti-lo com a pessoa envolvida. Se isso não for produtivo, os colaboradores devem sempre sentir-se livres para contatar a CEO ou o especialista no tema, como o  Canal de Ética.

 

Se você não se sentir confortável tomando as medidas sugeridas anteriormente, dispomos de um Canal de Ética – através do email canaldeetica@yogashanti.pro.br ou por meio físico, através de formulários/urnas lacradas dispostas nos sanitários do nosso espaço, que pode ser utilizado por colaboradores de quaisquer níveis, fornecedores e parceiros de negócio. Eles devem ser usados para reportar as situações nas quais os valores e princípios éticos da Empresa estejam sendo violados ou colocados em risco.

 

Não serão toleradas falsas denúncias ou atos de má fé. Nesses casos, serão tomadas as ações disciplinares e legais pertinentes.

Este canal tem como princípio a confidencialidade de informações. Todas as situações reportadas ao Canal de Ética são tratadas com total seriedade, sigilo, imparcialidade e independência.

Cabe ressaltar que o denunciante terá a sua identidade preservada durante todo o processo, caso opte pelo anonimato.

  • O que Acontece depois que as Denúncias são Apresentadas


Os casos reportados são, primeiramente, analisados pelo Compliance. Uma triagem é realizada para assegurar de que se tratam de temas relacionados à conduta.

 

Em seguida, planos de ação são elaborados para os casos triados, envolvendo-se áreas e esferas competentes. A Gerencia Administrativa é informada de tais casos em momentos definidos do processo de investigação.

No caso em que as situações sejam confirmadas, ações corretivas são aplicadas. A definição de tais ações é sempre conduzida pela gerencia administrativa em conjunto como compliance, garantindo que todos os pontos de vista sejam contemplados de forma neutra.

Tão logo concluído o processo de investigação o denunciante receberá o resultado por email, ou no caso de denuncia por meio físico, através do contato disponibilizado para tal.

  • Não Retaliação


Qualquer colaborador que, de boa-fé, procure aconselhamento, exprima uma preocupação ou comunique um comportamento impróprio, cumpre o Código e faz o que é correto.

 

Desse modo a empresa não tolerará retaliações contra essa pessoa.

 

  • Penalidades para Violações do Código de Conduta


Qualquer colaborador que violar o Código, bem como leis e regulamentação aplicável, está sujeito a ações disciplinares (advertência verbal, escrita, suspensão e demissão, incluindo demissão por justa causa). Violações que podem implicar em ações disciplinares incluem:

 

  • Violar direta ou indiretamente o Código, leis, regulamentações ou políticas da Empresa.

  • Orientar ou apoiar outros na violação do Código, leis, regulamentações ou políticas da Empresa.

  • Omitir-se na pronta apresentação de uma violação conhecida ou suspeita do Código, leis, regulamentações ou políticas da Empresa aos canais competentes.

  • Não cooperar com a Empresa nas investigações de denúncias relacionadas às violações.

  • Retaliar um colaborador por ter reportado uma potencial violação ou mesmo por ter colaborado em uma investigação.

GUIA ANTICORRUPÇÃO

Objetivo: Apresentar aos colaboradores, diretos e indiretos, os conceitos e responsabilidades da Lei Anticorrupção 12.846/2013.

 

Introdução

Em 29.01.2014 entrou em vigor no Brasil a Lei nº 12.846/13, conhecida como “Lei Anticorrupção”, (“Lei, Lei 12.846/13 ou Lei Anticorrupção”), que busca combater e prevenir a corrupção. Este Manual foi elaborado com o objetivo de esclarecer aos colaboradores o conteúdo, alcance e disposições desta Lei, bem como promover a conscientização sobre a importância e responsabilidade dos atos praticados em nome do Yogashanti, reafirmando o compromisso com a transparência e integridade na condução do nosso negócio. A Lei Anticorrupção permite que as empresas sejam punidas e responsabilizadas por atos de seus colaboradores (Administradores, Diretores, Gerentes, Coordenadores, Supervisores, Auxiliares, Assistentes, etc.), que forem praticados contra a Administração Pública nacional ou estrangeira (União, Estados, Municípios, órgãos públicos, etc.). Além da penalização das empresas, os colaboradores envolvidos em atos lesivos à Administração Pública também são passíveis de serem responsabilizados administrativa, civil e criminalmente, podendo, por exemplo, serem dispensados por justa causa, indenizar todos os prejuízos financeiros sofridos pela empresa e responder a processo criminal.

 O Manual Anticorrupção e a Lei 12.846/13 estão disponíveis para consulta no site institucional do Yogashanti (https://www.yogashanti.pro.br/) .

Considerações Importantes

O Yogashanti valoriza a honestidade, transparência e respeito em todas as suas relações. Portanto, não permite e não incentiva em nenhuma hipótese a obtenção de vantagem de forma ilícita. A Lei Anticorrupção, obrigatoriamente, deve ser cumprida.

 Este Manual suporta e complementa, porém não substitui o Código de ética e Conduta do Yogashanti.

 

Conceitos e Aplicação da Lei

 

Para facilitar o entendimento sobre a Lei Anticorrupção, é importante que você conheça alguns conceitos que envolvem a Lei:

CORRUPÇÃO​

É todo ato lesivo à Administração Pública, nacional ou estrangeira, que atente contra o patrimônio público nacional ou estrangeiro, contra princípios da administração pública ou contra os compromissos internacionais assumidos pelo Brasil.

ATO LESIVO

É aquele que causa prejuízo. Para fins de aplicação desta Lei, o ato lesivo deve ser ilícito, ou seja, deve ser contrário à Lei. Assim, para a Lei Anticorrupção, a empresa será responsabilizada se qualquer colaborador:

I - prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a agente público, ou a terceira pessoa a ele relacionada;

II - comprovadamente financiar, custear, patrocinar, ou de qualquer modo subvencionar a prática dos atos ilícitos previstos nesta Lei;

III - comprovadamente utilizar-se de interposta pessoa física ou jurídica para ocultar ou dissimular seus reais interesses ou a identidade dos beneficiários dos atos praticados; A empresa também será responsabilizada se, em relação a licitações e contratos, o colaborador: a) frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro expediente, o caráter competitivo de procedimento licitatório público; b) impedir, perturbar ou fraudar a realização de qualquer ato de procedimento licitatório público; c) afastar ou procurar afastar licitante, por meio de fraude ou oferecimento de vantagem de qualquer tipo; d) fraudar licitação pública ou contrato dela decorrente; e) criar, de modo fraudulento ou irregular, pessoa jurídica para participar de licitação pública ou celebrar contrato administrativo; f) obter vantagem ou benefício indevido, de modo fraudulento, de modificações ou prorrogações de contratos celebrados com a administração pública, sem autorização em lei, no ato convocatório da licitação pública ou nos respectivos instrumentos contratuais; ou g) manipular ou fraudar o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos celebrados com a administração pública; Além disso, “dificultar atividade de investigação ou fiscalização de órgãos, entidades ou agentes públicos, ou intervir em sua atuação, inclusive no âmbito das agências reguladoras e dos órgãos de fiscalização do sistema financeiro nacional”, é caracterizado com ato lesivo à administração pública.

 

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Para fins da Lei, é toda a estrutura e organização do Poder Público, compreendo União, Estados, Municípios, órgãos, empresas e pessoas (agentes públicos) que desenvolvam a atividade estatal.

 

AGENTE PÚBLICO

Toda pessoa que exerce, mesmo que de forma transitória ou sem remuneração, seja por eleição, nomeação, designação, contratação, concurso ou qualquer outra forma de vínculo, mandato, cargo, emprego ou função no Município, Estado, União, Órgãos Públicos ou qualquer Empresa Pública ou controlada pelo governo (Fundações, Autarquias, Empresas Públicas, etc.). Exemplos de agente públicos:

1. Diretores e funcionários de qualquer entidade governamental em nível nacional, estadual, regional, municipal ou local;

2. Qualquer pessoa física agindo temporariamente de forma oficial para ou em nome de qualquer entidade governamental (como, por exemplo, um consultor contratado por uma agência governamental);

3. Diretores e funcionários de empresas com participação do governo;

4. Candidatos a cargos políticos em qualquer nível, partidos políticos e seus representantes; e

5. Diretores, funcionários ou representantes oficiais de qualquer organização pública internacional, como o Banco Mundial, as Nações Unidas e o Fundo Monetário Internacional.

 

COISA DE VALOR

Para fins deste Manual, pode-se considerar “coisa de valor”: dinheiro, presentes, viagens, entretenimento, ofertas de emprego, refeições a trabalho. Qualquer item de valor pode também incluir patrocínio de eventos, bolsas de estudo, apoio a pesquisas e contribuições beneficentes solicitadas, ou em benefício de um agente do governo, seus familiares, mesmo que sejam em benefício de uma organização beneficente legítima.

 

VANTAGEM INDEVIDA

É qualquer coisa de valor, não necessariamente econômico (não se limita à vantagem de natureza patrimonial), que é oferecida com a intenção de receber favorecimentos em troca (exemplos: bolsa de estudos; descontos, etc.).

SUBORNO​

Suborno consiste da promessa, oferta, doação ou recebimento de algo de valor em troca de um tratamento favorável por uma empresa, autoridade oficial ou agente público. Pode ser caracterizado através de pagamentos em dinheiro e qualquer transferência de valor, tangível ou intangível.

 

Sanções

 

A “Lei Anticorrupção” prevê sanções que oportunizam a recuperação do patrimônio público de forma mais eficaz, possui caráter não só punitivo, mas também de reparação do dano causado. O texto da Lei 12.846/2013 protege os interesses da administração pública, considerando a responsabilidade da pessoa jurídica objetiva. Isso significa que demonstrar que a empresa não teve culpa por um ato praticado por um funcionário não isentará a mesma de sua responsabilidade. As empresas que violarem a Lei Anticorrupção estão sujeitas às seguintes penalizações:

• Multa no valor de até 20% do faturamento bruto do exercício fiscal anterior ao da instauração do processo administrativo. Nos casos em que não seja possível determinar o faturamento da companhia, o juiz do processo fixará um valor para a multa, que pode variar de R$ 6 mil a R$ 60 milhões; • Reparação do dano causado à Administração Pública;

• Publicação da decisão da condenação da empresa envolvida, em veículos de comunicação de circulação nacional, (o que ocasionará graves danos à imagem e reputação da empresa envolvida);

• Proibição de recebimento de recursos advindos de instituições financeiras públicas ou controladas pelo poder público, pelo prazo mínimo de um ano e máximo de cinco anos. A proibição inclui inventivos, subsídios, subvenções, financiamentos, doações e empréstimos;

• Proibição de participar de licitações e de ser contratada pelo poder público durante o prazo de cumprimento da sanção;

• Suspensão ou interdição parcial de suas atividades;

• Dissolução compulsória;

• Perda de bens, direitos ou valores que representem vantagem ou proveito direta ou indiretamente obtidos da infração.

 

A Lei determina ainda que a existência de mecanismos e procedimentos internos que promovam a integridade, auditorias, incentivo à denúncia de irregularidades e a aplicação de códigos de ética e conduta podem servir para atenuar as penalidades. Assim sendo, a Lei avalia os programas de Compliance praticados pelas empresas e a eficácia da estrutura de Controles Internos como ferramenta de mitigação de possíveis práticas de condutas ilícitas junto a agentes públicos.

 

Regras e Procedimentos Internos

 

Em função das penalizações impostas pela Lei, todos os colaboradores e terceiros que atuam em nome do Yogashanti são obrigados a cumprir as regras e procedimentos relacionados abaixo, elaborados e divulgados com o objetivo de garantir o cumprimento das diretrizes da Lei Anticorrupção 12.846/2013.

 

As regras, procedimentos e limites que envolvem o relacionamento do Yogashanti com agentes públicos estão descritos abaixo:

 

SUBORNO​

Não é permitido realizar pagamento para obtenção de qualquer tipo de vantagem indevida. Essa diretriz se aplica a quem incentivar ou executar os pagamentos, considerando:

 

• Aprovar o pagamento de suborno;

• Fornecer ou aceitar faturas falsas;

• Retransmitir instruções para pagamento de suborno;

• Encobrir o pagamento de suborno; ou

• Cooperar conscientemente com o pagamento de suborno.

• Pagar, mesmo que com recursos próprios, por atos ilícitos.

 

REFEIÇÕES E VIAGENS

Refeições, viagens ou outras cortesias comerciais devem ser moderadas e, quando ocorrerem, devem estar diretamente relacionadas com o legítimo propósito do negócio. Não é permitido oferecer refeições, viagens ou entretenimento a agentes públicos, com objetivo de influenciar ou compensar impropriamente um ato ou decisão oficial, como compensação real ou pretendida para qualquer benefício ao Yogashanti. De maneira geral, refeições e viagens com agentes públicos não devem exceder o valor de R$ 200,00 (duzentos reais) por pessoa. Eventualmente, caso essas despesas excedam esse valor, será necessária aprovação formal da Gerencia Administrativa. Ajudas de custo não devem ser pagas a agentes públicos por nenhuma razão.

 

PRESENTES/ BRINDES

Nenhum presente ou brinde pode, em hipótese alguma, ser dado em troca de tratamento favorável inapropriado de agente público, visando qualquer benefício para o Yogashanti. Para evitar a impressão de relações impróprias com agentes públicos, seguem algumas diretrizes a serem seguidas pelos colaboradores antes de decidir se devem ou não oferecer presentes ou brindes ao funcionário público, considerando:

• Colaboradores estão autorizados a dar brindes para qualquer funcionário público, desde que não excedam R$ 100,00 (cem reais) em valor e sejam gravados, sempre que possível, com o nome e/ou logotipo do Yogashanti. Presentes e brindes que ultrapassem esse valor devem ser previamente aprovados pela gestora administrativa;

• Brindes devem ser dados em pequenas quantidades e devem apresentar baixo custo, ou seja, deve ser observado o limite máximo estabelecido acima;

• Nenhum presente ou brinde deve ser dado em papel moeda;

• Deve-se evitar a disponibilização de vários brindes para uma única pessoa, se possível, no decorrer de um ano.

• Brindes devem ser dados abertamente, de modo que os gestores de um agente público possam ver que o brinde foi oferecido;

• Os colaboradores devem ter cuidado redobrado com as autoridades governamentais de alto nível ou colaboradores que tem autoridade direta sobre uma matéria pendente de negócios da Companhia;

• É vetado oferecer brindes aos familiares dos agentes públicos. Da mesma forma, nessas situações é preciso assegurar que os registros de gastos associados a presentes ou brindes sejam precisos e reflitam, claramente, a verdadeira razão do gasto.

 

REPRESENTANTES TERCEIROS

Estas regras e procedimentos são aplicáveis a todos os terceiros que representam o Yogashanti, como consultores, prestadores de serviços, parceiros de negócios, fornecedores, etc.

 

O contrato de um terceiro deve ser baseado nas necessidades do negócio do Yogashanti e nos méritos da empresa ou pessoa física contratada. Todos os terceiros deverão tomar ciência deste Manual.

 ​

CONTRATOS

Todos os contratos da Empresa, especialmente os com o governo (administração pública), antes de sua assinatura, devem obrigatoriamente passar pela chancela do Jurídico.

 

Sinais de Atenção

 

Para garantir o cumprimento da Lei Anticorrupção 12.846/13, os colaboradores devem estar atentos para sinais de alerta que podem indicar que vantagens ou pagamentos indevidos possam estar ocorrendo. Os sinais de alerta não são, necessariamente, provas de corrupção, nem desqualificam, automaticamente, terceiros que representam o Yogashantil. Entretanto, levantam suspeitas que devem ser investigadas até que se possua a certeza de que esses sinais não indicam problemas. Além dos sinais de alerta constantes do Código de Conduta, os colaboradores devem ver com desconfiança dobrada, qualquer um dos seguintes sinais de alerta referentes a qualquer operação em que o pagamento ou o benefício pode ser recebido por um funcionário público ou membro de sua família:

 

• Contraparte tem fama de suborno;

• Contraparte pediu uma comissão que é excessiva, paga em dinheiro ou de outra forma irregular;

• Contraparte é controlada por um funcionário público ou seus familiares ou tem um relacionamento próximo com o governo;

• Contraparte é recomendada por um funcionário público;

• Contraparte fornece ou requisita fatura ou outros documentos duvidosos;

• Contraparte se recusa a incluir referência a medidas anticorrupção no contrato por escrito;

• Contraparte propõe um esquema financeiro incomum, como a solicitação de pagamento em conta bancária em país diferente daquele em que o serviço esteja sendo prestado ou solicitação de pagamento em mais de uma conta bancária;

• Percepção que a doação para uma instituição de caridade a pedido de um funcionário público é uma troca para uma ação governamental.

 

Comunicação e Apuração

 

É responsabilidade de todos os colaboradores comunicar qualquer conduta suspeita ou ação contrária à Lei 12.846/13, podendo ocorrer, também, a fiscalização de contratos, parcerias e negociações através da área de compliance. As comunicações de violação, identificadas ou anônimas, devem ser direcionadas ao Canal de Ética, um canal de comunicação independente.

Independentemente das comunicações de violações serem identificadas ou anônimas, o Yogashanti tomará medidas para proteger a confidencialidade de qualquer denúncia sujeita à lei aplicável, regulamentação ou processo judicial.

O Yogashanti não permite ou tolera qualquer tipo de retaliação contra qualquer pessoa que apresente uma denúncia de boa fé ou queixa de violação deste Manual. O colaborador que se envolver em retaliação estará sujeito a atos disciplinares da Empresa, incluindo rescisão do contrato de trabalho. Diante de tudo isso, o Yogashanti se preocupa em estar em conformidade com os requisitos da Lei 12.846/2013, através de práticas para a proteção aos seus interesses, programas de treinamento, inclusão de disposições contratuais de observância à Lei 12.846/13 em contratos com representantes, bem como o controle e o monitoramento contínuo e cuidadoso das atividades da Empresa.

CANAL DE ÉTICA

O Canal de Ética é uma ferramenta confidencial para que os colaboradores e partes interessadas possam informar ou buscar apoio sobre questões éticas e de comportamento relacionadas a possíveis violações do Código de Ética e Conduta, normas internas do Yogashanti  e ou de leis e regulamentos.

Não tolerância para retaliação

 

O Yogashanti não tolera retaliação com quem relata uma preocupação de boa fé.

 

 Confidencialidade e anonimato

 Todos os problemas, preocupações, reclamações ou violações dirigidas ao Canal de Ética do Yogashanti serão tratados de forma confidencial e anônima.

 

Como submeter uma alegação ou preocupação?

 

E-mail: canaldeetica@yogashanti.pro.br

ATENÇÃO:

          

Este canal deve ser utilizado exclusivamente para o reporte de preocupações relacionadas à conduta ética e de cumprimento com a lei, regulamentos, código de ética e normas internas do Yogashanti. Caso necessite de informações adicionais, entre em contato através do e-mail contato@yogashanti.pro.br.

​© 2016 by Vanessa J A Brito